Por que investir em dinâmicas de treinamento?

João Cunha - especialista em estratégias de T&D

Entenda o papel das dinâmicas de treinamento para desenvolver os talentos de forma mais engajada e eficiente, além de exemplos das suas melhores práticas

Promover dinâmicas de treinamentos corporativos pode ser a solução ideal para que os processos de treinamento e desenvolvimento (T&D) se tornem menos morosos, desestimulantes e tradicionais. Essas ações representam uma alternativa às longas aulas expositivas e intermináveis apresentações de slides, trazendo uma aprendizagem mais dinâmica, prática e capaz de engajar os profissionais.

Segundo o relatório State of the Global Workplace, que analisou empresas de mais de 155 países, uma média de 15% dos colaboradores não se sentem engajados com seu trabalho. Isso demonstra um enorme desperdício de potencial nas organizações, ainda mais se levarmos em consideração que negócios capazes de estimular seus talentos são 17% mais produtivos e 21% mais lucrativos. 

O mesmo estudo ainda mostra que os motivos que levam a esse baixo envolvimento estão ligados às dificuldades de adequação às rápidas mudanças do mercado. A percepção e o rendimento dos profissionais também são negativamente afetados quando as lideranças não oferecem meios de acompanhar o ritmo do cenário competitivo moderno e integrar a todos nos propósitos atuais da companhia.

As dinâmicas para treinamento e desenvolvimento de pessoas trazem a resposta para essa demanda, já que permitem envolver os funcionários e estimulá-los ao mesmo tempo em que os qualificam para superar os novos desafios de suas carreiras. 

Neste artigo, vamos discutir qual é a importância desse tipo de prática e alguns exemplos de modelos para a sua realização. 

Dinâmicas de treinamento: por que apostar nelas? 

As dinâmicas de treinamento são atividades em grupo realizadas pelas empresas para aprimorar a aprendizagem dos profissionais. O grande diferencial é que com elas você: 

Garante mais engajamento

Ao contrário de longas explicações e de aulas expositivas, que tendem a ser cansativas e podem não sair do lugar comum, uma dinâmica de capacitação é descontraída, traz abordagens educativas divertidas, que geram bons momentos aos colaboradores e aumentam seu nível de engajamento com os ensinamentos passados. 

Treina de forma prática 

Junto da parte lúdica, as dinâmicas também trabalham vivências e situações práticas que muitas vezes preparam os funcionários para enfrentar situações reais da rotina de trabalho. Elas garantem que o aprendizado vá além da teoria e incentiva que as pessoas aprendam com as mãos na massa. 

Reconhece problemas

A dinâmica de treinamento é feita para sanar gargalos de competências já identificados junto aos colaboradores de forma coletiva ou individual. Mas as vivências também contribuem para que novos gaps de habilidades sejam reconhecidos durante as práticas. Por exemplo, durante uma dinâmica comportamental, é possível reconhecer problemas de soft skills entre determinados profissionais, que não seriam notados em ações básicas ou meramente teóricas.  

Trabalha comportamentos 

As dinâmicas de grupo para treinamento exigem práticas conjuntas que dependem diretamente da interação entre os funcionários. Assim, mais que ajudar a reconhecer gargalos comportamentais, elas favorecem o desenvolvimento de soft skills e a capacidade de trabalhar em equipe. 

Incentiva o trabalho em equipe

Por falar no trabalho em equipe, essa habilidade é a mais valorizada por 47,5% das lideranças de grandes empresas da América Latina em levantamento do PageGroup, sendo que o domínio comportamental mais se destaca entre todos. As dinâmicas de treinamentos servem justamente para desenvolvê-lo, com práticas que envolvem diversos participantes e demandam capacidade de organização conjunta para superar os desafios propostos no desenvolvimento de equipes

Estreita relacionamentos 

Durante os treinamentos práticos e comportamentais, o incentivo à colaboração também atua como uma forma de integrar os membros das equipes e de estreitar seus relacionamentos, favorecendo a comunicação entre os profissionais, o respeito, a confiança, entre outros valores de suma importância para o trabalho coletivo. 

Exemplos de dinâmicas para treinamento e desenvolvimento de pessoas 

As práticas desenvolvidas em grupo podem ser realizadas de diversas maneiras e atender a objetivos diferentes.

Elas podem servir como dinâmicas para treinamentos de lideranças, dinâmicas para treinamento de habilidades sociais, para integração de novos funcionários, entre muitos outros casos semelhantes.

Confira alguns dos modelos mais comuns na área, seus métodos de realização e os objetivos atrelados a eles: 

Dinâmica para integração de novos colaboradores: Dinâmica das entrevistas

Quando novos colaboradores chegam à empresa, é importante que eles se sintam familiarizados e à vontade com a sua equipe. 

Uma dinâmica de entrevistas pode ser extremamente positiva para atender a essa demanda, pois permite que os profissionais assumam o papel de entrevistadores para se conhecerem e integrarem-se mais rapidamente.

Nessa prática, todos formam um círculo e uma pessoa fica no meio. Todos ao redor podem fazer perguntas ao novo colega de trabalho. Finalizada a dinâmica, outro profissional vai ao centro e passa a ser entrevistado. 

Dinâmica para trabalho em equipe: Técnica 6.3.5

A ideia dessa atividade é que os participantes façam um brainstorm, para que ampliem sua capacidade de inovar, resolver problemas e de ter ideias criativas em conjunto. 

Para a Técnica 6.3.5, o número 6 diz respeito ao número de colegas que participam da dinâmica, enquanto o 3 se refere às ideias que devem ser dadas por cada participante e o 5 ao tempo que cada pessoa terá para sugeri-las. 

Basta distribuir 3 papéis em branco para cada profissional. Neles, as ideias para o caso proposto serão escritas ou desenhadas. A cada 5 minutos, o papel é passado para a pessoa ao lado, para que em cada rodada os colaboradores se inspirem nas ideias feitas pelos outros participantes e assim criem novas concepções a partir delas. 

Dinâmica comportamental: dinâmica das confidências

Para trabalhar comportamentos e soft skills, a dinâmica de treinamento das confidências visa reunir vários colaboradores para que escrevam em um papel algum problema que eles normalmente não contam para outras pessoas.

Cada papel é dobrado e depositado em uma caixa, para que ninguém saiba o seu autor. Feito isso, os participantes pegam um papel aleatório na caixa, leem o problema fingindo que ele é seu e então sugerem uma solução para ele. 

Mais que impulsionar e avaliar a capacidade de resolução de desafios, essa prática serve para que as pessoas saibam se colocar no lugar dos outros e tenham mais empatia ao lidar com suas vivências profissionais. 

Dinâmica motivacional: dinâmica da carreira

Para finalizar, temos a dinâmica motivacional de carreira, em que os ministrantes pedem para que os participantes contem como enxergam sua jornada dentro do negócio. A diferença é que, ao invés de falar da própria carreira, os profissionais devem falar sobre os outros indivíduos que fazem parte da prática. 

Essa é uma excelente maneira de fazer com que os colaboradores entendam a visão que os seus colegas têm de si, enxerguem sua importância para o time e exercitem seu reconhecimento dentro da organização.

As dinâmicas de treinamentos são de suma importância para complementar as práticas teóricas que você ministra em seus processo de T&D. Contudo, lembre-se que até as ações que não são feitas em grupo precisam de mais dinamismo e interatividade para que gerem o engajamento e os resultados esperados. 

Investir em um ambiente virtual de aprendizagem é imprescindível nesse sentido, já que as melhores tecnologias de treinamentos proporcionam uma curva de aprendizado personalizada, estimulante e alinhada com o que os profissionais mais esperam e precisam.


A Skore é a solução definitiva nessa área e traz as ferramentas ideais para que você complemente seus demais processos, como as dinâmicas de treinamentos. Clique aqui e conheça todas as possibilidades oferecidas pela solução.

Comentários